O Jazz é uma forma de expressão pessoal criada e sustentada pelo improviso.

Na sua origem a Dança Jazz tem raízes essencialmente populares. Com uma evolução inicial paralela à da música Jazz, surgiu nos E.U.A no final do século passado. Pode-se afirmar, inclusive,  que nasceu diretamente da cultura negra.

É possível descrever essa dança como uma manifestação corporal acompanhada de música, marcada pela polirritmia (quando o corpo acompanha vários ritmos simultaneamente), movimentos sincopados (quando há rompimento dos movimentos já internalizados e estabelecem-se outros padrões de movimentos) e pelo swing. Ainda que a influência da música jazz seja bastante intensa sobre a constituição dessa dança, sua prática não necessariamente é acompanhada desse estilo de música, o que permite ao praticante liberdade também na escolha musical.

Segunda a história, os negros - que não estavam cansados ou doentes - nos navios negreiros vindos da áfrica, eram obrigados a dançar para manter a saúde. As danças dos senhores brancos eram polcas, as valsas e as quadrilhas. Os negros os imitavam ridicularizando-os, mas dançavam de acordo com as informações que tinham da cultura européia e misturavam com as danças que conheciam, utilizando os instrumentos de sua cultura. Dessa  forma veio o jazz. Uma imitação dos ritmos europeus com os costumes e ritmos negros.

Tanto a música quanto a dança conhecidas com o nome Jazz são resultado de uma fusão de relações que prosperam nos territórios americanos a partir do século 18. Suas raízes estão, obviamente, na cultura negra e suas características mais marcantes e visíveis das danças africanas, nas quais a manifestação não era apenas um espetáculo, mas sim uma forma de comunicação.

Considerada um movimento próprio de escravos negros, a cultura do jazz dance reflete influencias de diversas índoles. Por um lado se apreciavam ritmos e bailes africanos que duraram muito na consciência coletiva dos negros, por outro estavam as manifestações religiosas.

Em outra parte, fruto do interesse dos brancos por liquidar os ritos e as formas folclóricas, os negros só tiveram recursos para expandir seus costumes religiosos a partir do surgimento de cristianismo protestante dos brancos, que aos poucos, se converteu em expressão próprias e particulares. Essas cerimonias surgiram em formas musicais, que foram muito importantes nos EUA, nos quais o canto acompanhava os movimentos rítmicos.

Paralelamente a isso, os negros criaram outra forma de manifestação como músicas criadas no trabalho, que cantavam em coro sempre regidos por um mestre, outra grande influência no gênero veio direto da música e da dança branca, mais propriamente da música popular de raiz europeia. Assim pelo que parece claro, a influência se deu por via de imitações, as polcas, quadrilhas, marchas, danças irlandesas e bailes ingleses, começaram a se misturar com danças autônomas para dar lugar ao que chamamos de jazz. “Foram os negros que entretinham meus amos, que elevaram as mudanças da dança africana transformando-a em jazz, mas foram os brancos que começaram a dança-la primeiro em lugares abertos”.

Desde o início do século 19, quando alguns grupos de bailarinos irlandeses começaram a atuar no pais, a dança dos negros era interpretada por brancos, que muitas vezes pintavam suas faces para parodiar, cantar e dançar como tais. Este cenários muda por completo com a emancipação dos escravos nos EUA com o acordo firmado por Abraham Lincoln, a partir de então, a dança e os cantos nos bailes dos escravos negros agora poderia sair de lugares restritos e ir aos públicos. Esta transformação teve uma influência decisiva na comedia musical, que nada mais era do que os primeiros passos do que hoje chamamos de jazz.

Neste período o jazz foi para dentro dos clubes e teatros americanos que sofriam uma carência de trabalhos com coreografias e improvisações dos interpretes. A dança negra começou a adaptar-se as características técnicas conhecidas, derivadas dos bailes africanos (já modificadas pelos brancos), caracterizando o jazz como uma dança que usa o isolamento de partes do corpo que se movem separadamente seguindo o mesmo ritmo- swing; movimentos rítmicos sincopados, o uso da polirritmia e o uso correto do centro de gravidade do corpo que dança. E a década seguinte, foi marcada pela busca de raízes verdadeiras de um povo escravizado que conseguiu transformar uma rica bagagem cultural pouco conhecida em dança negra.

A partir de Katherine Dunham, a dança negra se converteu em algo muito mais livre, baseado na improvisação individual e em uma maior expressividade, criando assim, um estilo revolucionário em uma certa contemporaneidade ao que foi dominado como Modern Jazz Dance.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Jazz_Dance

Jazz Dance apresentação 2016

Conselho Internacional de Dança CID, Paris Membro do Conselho Internacional de Dança CID, Paris.      Filiado ao sistema Vale Cultura.

Oferecemos Certificação Internacional de Estudos de Dança aos nossos alunos                        Atualmente estamos aceitando Cartão Vale Cultura da Sodexo, Ticket e VR.

Convênios do Studio de Dança Renato Mota

Para saber mais sobre Aulas de Jazz Dance em Santo André 11 4426-9343
Aula de dança de Jazz Dance em Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Mauá, 
Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Diadema, 
Atendemos a todo Grande ABC.