Salsa, Zouk, Bachata, Samba Rock, Tango...
D. de Salão aos Domingos.
Destaques e Promoções
Zouk, Bachata e Salsa. Kizomba Cursos...
Turmas às quartas-ferias 21h30 ou as sextas-feiras 20h30 com Zouk, Salsa e Bachata ou Zouk aos domingos às 14h30 ou Kizomba em aulas particulares. Salas climatizadas. ... Ver Mais
PROMOÇÕES DA SEMANA ATÉ 30/11
Mas atenção, a promoção com Jazz Dance e Alongamento é valida até dia 30/11 no valor do plano semestral sem os desconto.... Ver Mais
Formação de profs. em Dança de Salão.
Ainda da tempo de iniciar... Outubro de 2017 - Formação nível Técnico profissionalizante e Internacional pela CID. Unesco, Paris. Voltado para estudantes "em curso" quanto para profissionais... Ver Mais
desde 1988 ensinando a arte de dançar.
Menu Principal
Newsletter
Receba novidades do Studio Renato Mota periodicamente. Cadastre-se agora.
 Nome:
 E-mail:

MEMBRO DO:
 
Lambada
À herdeira do Samba

No final dos anos 80 e início da década de 90, as pistas de dança conheceram um novo ritmo muito sensual: a lambada. O surgimento desta dança dá origem a discussões sobre quem receber os direitos autorais. Atualmente, o debate deixou de existir nos tribunais e está entre os amantes desta dança.

O lançamento mundial da lambada aconteceu lentamente o que torna muito difícil descobrir sua origem. Nos anos 80, um jovem diretor de cinema, Olivier. Lorsac, e o jornalista Rémi Kolpa Kopoul investiram muito dinheiro para adquirir os direitos autorais de mais de quatrocentas composições, quase todas brasileiras. .Porem a música que gerou muitos problemas e proporcionou vantagens não era brasileira e sim, a composta pelos irmãos bolivianos Ulises e Gonzalo Hermosa. Com um sensível instinto comercial, Lorsac e Kolpa, fizeram com que a música dos bolivianos fosse brasileira, da Bahia, estado mais mestiço do Brasil, multireligioso e berço de ritmos variados. A música Llorando se fue teve sua letra e melodia modificada para adequar-se ao mercado europeu. 
Para estilizar a dança, criou-se cuidadosamente um grupo multirracial que, com o nome de Kaoma, fez explodir a lambada no verão europeu de l989: Llorando se fue era um sucesso total, ocupou o primeiro lugar na lista dos CDs mais vendidos em quinze países simultaneamente. Lorsac e Kolpa ganharam milhões de dólares, o que fez com que o governo boliviano iniciasse uma batalha jurídica para recuperar os direitos autorais que os irmãos Hermosa haviam vendido.Finalmente, os direitos e os benefícios ficaram nas mãos de Losarc e Kolpa, apesar de surgirem outros “criadores”, como foi o caso de um desconhecido músico cubano que afirmava ser o criador da dança, com a música Lambire.

Os estudiosos de folclore encontram na lambada uma mescla de merengue e carimbó, dança do estado do Pará, onde era e é executada em círculo acompanhada de uma forte percussão, e em algumas vezes, por instrumentos de cordas. O seu principal movimento é realizado quando as mulheres jogam um lenço no chão e seus parceiros abaixam para pega-lo com a boca.

A lambada tem uma forte influência do merengue, do maxixe e do forró. Esta última é uma dança bastante popular do século XIX, da qual surgiu o samba. Quanto ao desenvolvimento da lambada, o que parece é que tratava-se de uma maneira de dançar pouco conhecida, mas já existente na América do Sul, provavelmente sua origem é brasileira. A partir desta maneira de dançar, os irmãos Hermosa “criaram” a sua música e Lorsac e Kolpa tiveram suficiente tino comercial para transformá-la em um grande êxito.Mesmo desaparecendo das listas de sucesso, a lambada continua em destaque na Bahia, onde independente da moda, permanece como uma das mais fortes concorrentes do samba.

Os atuais substitutos da lambada

Depois do grande êxito comercial, a lambada abriu caminho para outras danças e acabou se misturando a outros ritmos latinos. Atualmente, os jovens brasileiros se divertem ao som de três ritmos distintos: zouk, axé e forró. O zouk é originário da Martinica e, em função da sua origem, ainda é cantado em francês. O axé, literalmente traduzido por energia positiva procede como a lambada, do estado da Bahia e tem influências do pop, rock, funk, reggae e, principalmente, do samba.O forró é uma designação popular dos bailes freqüentados e promovidos por migrantes nordestinos nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo.  Teve origem nas festas oferecidas pelos ingleses, em meados da década de 20, aos empregados que construíam as estradas de ferro brasileiras.

Coleção: AS MELHORES DICAS DE DANÇA DE SALÃO

Editora: DEL PRADO


Outra versão: 
Diversos relatos de paraenses contam que uma emissora local chamava de "Lambadas" as músicas mais vibrantes. O uso transformou o adjetivo em nome próprio, batizando o ritmo cuja paternidade é controversa, motivo de discussão entre músicos e pesquisadores paraenses. Porém, é fato que o músico e compositor de carimbó Pinduca lançou, em 1976, uma música intitulada "Lambada(Sambão)", faixa número 6 do LP "No embalo do carimbó e sirimbó vol. 5". É a primeira gravação de uma música sob o rótulo de "Lambada" na história da música popular brasileira. Há quem sustente a versão que o guitarrista e compositor paraense Mestre Vieira, o inventor da guitarrada , seria também o criador da lambada. Seu primeiro disco oficial, "Lambada das Quebradas", foi gravado em 1976, mas lançado oficialmente dois anos depois, em 1978.

O novo nome e a mistura do carimbó com a música metálica e eletrônica do Caribe caiu no gosto popular, conquistou o público e se estendeu, numa primeira fase, até o Nordeste. O grande sucesso, no entanto, só aconteceu após a entrada de empresários franceses no negócio.

Com uma gigantesca estrutura de marketing e músicos populares, o grupo Kaoma lançou com êxito a lambada na Europa e outros continentes. Adaptada ao ritmo, a música boliviana "Llorando Se Fue" tornou-se o carro chefe da novidade pelo mundo. Também há uma vertente que diz que a dança da lambada provém do forró.

Como acontece com certa freqüência em outras situações, a valorização do produto só se deu após reconhecimento no exterior. Seguiu-se um período intenso de composições e gravações de lambadas tanto no mercado interno quanto externo. Os franceses, por exemplo, compraram de uma só vez os direitos autorais de centenas de músicas. Dezenas de grupos e diversos cantores pegaram carona no sucesso do ritmo, como Beto Barbosa, Márcia Ferreira, Manezinho do Sax, outros ainda incrementando suas carreiras, como foi o caso de Sidney Magal, Sandy e Júnior, Fafá de Belém e o grupo Trem da Alegria.Depois dessa fase de superexposição, como acontece com quase todo fenômeno midiático, deu-se um natural desgaste com a conseqüente queda nas vendas até cessar a produção.Surgida no Pará, a música lambada tem base no carimbó e na guitarrada, influenciada por vários ritmos como a cumbia, o merengue e o zouk.

Carimbó
O carimbó é uma dança indígena, pertencente ao folclore amazônico, que é uma das principais fontes rítmicas da lambada. Na forma tradicional, o carimbó é acompanhado por tambores de tronco de árvores afinados a fogo. Atualmente o carimbó tem como característica ser mais solto e sensual, com muitos giros e movimentos onde a mulher tenta cobrir o homem com a saia.A maior influência hoje do Carimbó em região nacional é a banda Calypso (de Joelma e Chimbinha) que o apresenta a todo o Brasil, com todo um figurino colorido e alegre.

A lambada
A lambada dança teve sua origem a partir de uma mudança do carimbó que passou a ser dançado por duplas abraçadas ao invés de duplas soltas. Assim como o forró, a lambada tem na polca sua referência principal para o passo básico, somando-se o balão apagado, o pião e outras figuras do maxixe.

Usa, normalmente, as cabeças dos tempos e o meio do tempo par, se começarmos a dançar no "um", para as trocas de peso (pisa-se no "um", no "dois" e no "e" - que é chamado comumente de contratempo). A lambada chega a Porto Seguro, e ali se desenvolve. Boas referências foram a Lambada Boca da Barra, em Porto, e o Jatobar no Arraial d'Ajuda, onde desde o início também zouks (lambadas francesas) serviram para embalar os lambadeiros. Tudo isso acontece na época do apogeu do carnaval baiano, que ditava uma moda atrás da outra, e numa delas, apresentou a lambada ao Brasil. Essa segunda fase da dança durou apenas uma temporada e foi um pouco mais abrangente que a primeira, que só havia chegado até o nordeste. Até esse ponto a lambada tinha como principal característica os casais abraçados. Era uma exigência tão forte que, quando da realização de alguns concursos, aqueles que se separassem eram desclassificados. 
No exterior e aqui, a lambada torna-se um grande sucesso e em pouco tempo estava presente em filmes e praticamente todos os programas de auditório aparecendo até em novelas. É a hora dos grandes concursos e shows. A necessidade do espetáculo faz com que os dançarinos criem coreografias cada vez mais ousadas, com giros e acrobacias. Depois de algum tempo, a música lambada entra em crise e pára de ser gravada. 
Os DJs das boates aproveitam então para simular o enterro do estilo musical. A dança perde destaque, mas sobrevive, pois já haviam sido feitas nas lambaterias muitas experiências com variados estilos de música que tivessem a batida (base de marcação) que permitisse dançar lambada, só para citar um exemplo, a banda de rumba flamenca Gipsy Kings teve vendagem significativa por aqui por conta da dança, então as músicas francesas, espanholas, árabes, americanas, africanas, caribenhas etc. viraram a "salvação" e solução para a continuidade do estilo de dança. 
De todas, o zouk foi o ritmo que melhor se encaixou na nossa dança tornando-se a principal música para dançar lambada.
Esta passa a ser dançada com um andamento mais lento, com mais tempo e pausas que praticamente não existiam na música lambada, permitindo explorar ao máximo a sensualidade, plasticidade e beleza da nossa criação. Os movimentos ficaram mais suaves e continuam fluindo, modificando-se à medida que ela incorpora e troca com outras modalidades. Contribuem ainda as diversas pesquisas, até fora da dança de salão, como por exemplo, as de contato e improvisação. Hoje a relação com o parceiro volta a ganhar valor, as acrobacias ficam praticamente exclusivas para os palcos e os locais para dançar reabrem em diversos estados.Mesmo não tendo por parte de alguns o devido reconhecimento, a lambada mostrou-se um grande incremento profissional.Encontramos lambaterias e professores de lambada em diversos pontos do planeta e ainda que a chamem de zouk, muitos viveram e vivem dela até hoje. 
 
Fonte: Wikipédia - http://pt.wikipedia.org/wiki/Lambada

Abaixo, veja o vídeo que separamos especialmente para você!





Se quiser ver mais pesquisas de danças, clique aqui

  Principal
Quem Somos
Cursos e Aulas
O que fazemos
Localização
Últimas Notícias
Perguntas Frequentes
Contato
  Outros
Depoimentos
Sapatos e Sandálias
Agenda de bailes
Video aulas didáticos
Curso de Formação
Promoções da Semana
  Aulas
Dança de Salão
Country, Sertanejo e Forró
Soltinho
Tango Milongueiro, Salão e Novo
Salsa, Zouk, Bachata e Merengue
Valsa Vienense
Pagode , Samba Rock e Gafieira
  Redes Sociais

Empresas do Grupo
Loja Virtual, Renato Mota. Acessem! Acesse Agenciados: Arte, Moda e Beleza! Acesse Formação em Dança de Salão!
© Studio de dança Renato Mota · Escola de Dança em Santo André - ABC - São Paulo. Aulas, cursos, shows, Dança de Salão. Todos os direitos reservados. · by AGENCIA GIGA!